Como Consultar o Informe de Rendimentos da XP Investimentos para o Imposto de Renda?

porInforme de Rendimentos

Como Consultar o Informe de Rendimentos da XP Investimentos para o Imposto de Renda?

Para consultar o informe de rendimentos da XP Investimentos, o contribuinte deverá acessar sua conta através do site da corretora. Em seguida, deverá acessar o menu “Minha Conta” e depois escolher a opção “Imposto de Renda”. Pronto, o extrato de rendimentos estará disponível para download. Parece simples – e realmente é – mas algumas pessoas ainda sentem dificuldades neste tipo de operação. Com tantos recursos tecnológicos e informações disponíveis, está cada vez mais fácil fazer sua própria declaração de imposto de renda. Porém, ainda podemos encontrar algumas dificuldades. Pensando nisto, elaboramos este tutorial para te ajudar a entender como obter o seu informe de rendimentos, que é um documento indispensável para elaboração da sua declaração.

As empresas tiveram até o dia 28 de fevereiro para disponibilizar o informe de rendimentos a seus empregados e aos profissionais que lhes prestam serviços como autônomos. O documento é necessário para a declaração de imposto de renda da pessoa física, pois inclui todos os rendimentos recebidos pelo contribuinte no ano anterior. O mesmo vale para bancos, corretoras que precisam informar aos clientes os saldos de contas-correntes, cadernetas de poupança e investimentos.

No caso dos empregadores, o informe de rendimentos apresenta o valor pago aos trabalhadores no exercício anterior (ano-base), incluindo férias, 13º salário e desconto de contribuição para o INSS, assim como o imposto retido na fonte e as deduções aplicadas. No caso de bancos e corretoras, o informe de rendimentos apresenta informações tais como: saldo de aplicações financeiras, rendimentos de aplicações financeiras, imposto de renda retido, dentre outros dados.

De acordo com a legislação, caso o informe de rendimentos não seja disponibilizado no prazo, contenha erros ou omita informações, o emissor fica sujeito a pagar R$ 41,43 por documento. A empresa que prestar informações falsas sobre rendimentos pagos, deduções ou imposto retido na fonte está sujeita a uma multa de 300% sobre o valor que foi indevidamente declarado. A mesma penalidade é aplicada ao contribuinte que se aproveitar da irregularidade.

Informe de Rendimentos

Os informes de rendimentos são necessários para o correto preenchimento da declaração de imposto de renda de 2018. Os dados dos informes ajudam a Receita Federal a cruzar informações e verificar se houve sonegação ou não de imposto. Os documentos não precisam, necessariamente, ser enviados fisicamente via Correios. Podem ser enviados por e-mail ou disponibilizados para consulta pela internet.

Se o contribuinte preferir receber o informe de rendimentos em papel, pode solicitar ao banco, corretora ou empresa, sem custos adicionais. Caso o informe for enviado com informações incorretas, o contribuinte deverá pedir um novo documento à instituição financeira ou empresa. Por isto é importante conferir cada informação apresentada.

Os bancos deverão disponibilizar a todos correntistas um informe de rendimentos, contendo, por exemplo, os valores depositados na conta-corrente e na poupança, bem como os rendimentos da caderneta. Estarão discriminados, ainda, saldos e rendimentos de aplicações financeiras tais como CDBs, LCIs, LCAs e outros títulos.

Quem Deve Declarar Imposto de Renda em 2018?

Cerca de 40 milhões de brasileiros devem declarar o imposto de renda neste ano. As declarações devem ser entregues até o dia 30 de abril de 2018. Quem perder o prazo precisará pagar uma multa de 1% do imposto devido por mês de atraso até o limite de 20% do valor ou de R$ 165,74, prevalecendo o maior custo. Se você investiu em aplicações financeiras na XP Investimentos no ano passado, então pode ter que declarar os saldos e rendimentos no imposto de renda 2018. Veja a seguir os principais critério de obrigatoriedade de entrega da declaração:

  • Qualquer pessoa que tiver recebido no ano passado renda tributável de mais de R$ 28.559,70 precisa fazer a declaração de imposto de renda neste ano. Salário, por exemplo, é um rendimento tributável. Valores recebidos do INSS também são tributáveis. Ou seja, aposentados também ficam obrigados a fazer a declaração do imposto de renda, caso seus rendimentos, somados, sejam superiores a R$ 28.559,70.
  • Quem recebeu rendimentos não tributáveis ou tributáveis exclusivamente na fonte que, somados, resultem em valor superior a R$ 40 mil, também está obrigado a fazer a declaração de imposto de renda. Entre os rendimentos não tributáveis estão dividendos, indenizações, heranças, doações recebidas, dentre outros. Já os rendimentos tributáveis exclusivamente na fonte são os valores recebidos em concursos e sorteios, prêmios em dinheiro ou ganhos na loteria, além de juros sobre capital próprio.
  • O contribuinte que tem bens ou direitos cujo valor, somados, superem R$ 300 mil também precisa fazer a declaração do imposto de renda. Quem teve, em qualquer mês de 2017, algum ganho de capital na venda de bens ou direitos sujeitos ao pagamento de imposto de renda terá que fazer a declaração. É o caso, por exemplo, de quem vendeu um apartamento ou realizou operações na bolsa de valores, bolsa de mercadorias ou de futuros.

Como Consultar o Informe de Rendimentos da XP Investimentos?

Uma das principais informações solicitadas pela Receita Federal na sua declaração de imposto de renda é movimentação bancária do contribuinte. E para que você tenha acesso a essas informações, a sua corretora deve disponibilizar o informe de rendimentos. Se você é cliente da XP Investimentos, precisará declarar seus investimentos do ano-calendário de 2017. Para isto, acesse o site da corretora e faça o login. Acesse o menu “Minha Conta” e em seguida a opção “Imposto de Renda” como mostra a figura a seguir:

informe de rendimentos xp investimentos

Será apresentada a tela de opções do Imposto de Renda. Nesta tela, deve-se escolher a opção “Informe de Rendimentos” e em seguida o ano-base (ano-calendário). Lembrando que “ano-calendário” é o ano em que aconteceram os fatos e “ano-exercício” é o ano de apresentação da declaração. Pronto, seu informe de rendimentos será exibido.

informe de rendimentos ir xp

Como Declarar Imposto de Renda

Como Declarar Saldo na Corretora

Para declarar saldo na conta corrente da corretora, selecione a ficha “Bens e Direitos”. Em seguida selecione o código “69 – Outros depósitos à vista e numerário.” Entre com o CNPJ da corretora e coloque a discriminação da conta. Nos campos Situação em 31/12/xxxx, lance os valores conforme informe de rendimentos da corretora. Veja detalhadamente a forma de declarar saldo na corretora neste tutorial.

Como Declarar LCI e LCA da XP Investimentos

Rendimentos de aplicações financeiras em LCI e LCA são isentos de imposto de renda. Porém, o saldo destas aplicações financeiras devem ser declaradas com na ficha “Bens e Direitos” com código “45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)”, de acordo com os valores informados no informe de rendimentos. Se houve rendimentos no ano, deve-se lançar na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” com o código “12 – Rendimentos de cadernetas de poupança, letras hipotecárias, letras de crédito do agronegócio e imobiliário (LCA e LCI) e certificados de recebíveis do agronegócio e imobiliários (CRA e CRI)”, conforme o informe de rendimentos. Veja detalhadamente a forma de declarar LCI e LCA neste tutorial.

Como Declarar CDB, RDB, LC, COE e Debêntures da XP Investimentos

Declarações de aplicações em CDBs, RDBs, LCs,  COEs e debêntures são obrigatórias somente se o saldo for maior que R$ 140,00. Deve-se lançar o saldo na ficha “Bens e Direitos”, com o código “45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)”, de acordo com o informe de rendimentos. Os rendimentos de aplicações em renda fixa como CDB são declarados como rendimentos tributáveis exclusivamente na fonte, devendo ser informados pelo seu valor líquido (valor do rendimento bruto o menos imposto de renda retido na fonte pela instituição).  Se houve rendimentos no ano, deve-se lançar na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva” com o código “06 – Rendimentos de aplicações financeiras”, conforme o informe de rendimentos. Veja detalhadamente a forma de declarar CDB neste tutorial.

Como Declarar Fundos de Investimento

O programa de declaração do imposto de renda da Receita Federal possibilita a declaração de 4 classes de fundos de investimento definidas: fundos de investimento de curto prazo, fundos de investimento de longo prazo / fundos de investimento em direitos creditórios e fundos de investimento imobiliário, fundos de ações / fundos mútuos de privatização / fundos de empresas emergentes / fundos de investimento em participação / fundos de investimentos de índice de mercado. Qualquer outro fundo de investimento que não se enquadre nestas classes deve ser declarado como “Outros”. Veja detalhadamente a forma de declarar CDB neste tutorial.

Como Declarar Ações

Você terá que declarar dividendos, JSCP, lucros isentos, lucros tributados mensalmente e ações em custódia no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar ações neste tutorial.

Como Declarar FIIs

Você terá que declarar distribuições, aluguéis, amortizações, lucros tributados mensalmente e FIIs em custódia no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar FIIs neste tutorial.

Como Declarar Tesouro Direto

Você terá que declarar saldos e rendimentos de títulos públicos do tesouro direto no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar neste tutorial.

Sobre o Autor

Informe de Rendimentos administrator

2 Comentários até agora

GilsonPostado em10:11 am - abr 12, 2018

Ótimo artigo. Tenho uma dúvida sobre o IR de renda variável. Em qual menu do programa da receita se declara o lucro da venda do direito de subscrição de ações e o prejuízo de opções que viraram pó?

    Informe de RendimentosPostado em1:40 pm - abr 16, 2018

    Obrigado Gilson!

    Lancei esta pergunta para a Receita Federal. Veja o que ele respondeu logo abaixo…

    Prezado(a) Senhor(a),

    Agradecemos a sua mensagem.

    Demonstrativo de Apuração de Ganhos – Renda Variável – Operações Comuns e Day-Trade /Considerações Gerais

    Considerações Gerais

    Obrigatoriedade de Preenchimento

    Este demonstrativo deve ser preenchido pela pessoa física, residente no Brasil, que durante o ano-calendário de 2017 efetuou:

    – alienações de ações no mercado à vista em bolsa de valores;
    – alienação de ouro, ativo financeiro, no mercado disponível ou à vista em bolsa de mercadorias, de futuros ou diretamente junto a instituições financeiras;
    – operações nos mercados a termo, de opções e futuro, em bolsa de valores, de mercadorias e de futuros, com qualquer ativo;
    – operações nos mercados a termo, de opções e futuro, fora de bolsa, inclusive com opções flexíveis.
    – alienação de quotas dos fundos de investimento imobiliário, em bolsa.

    Dispensa de Preenchimento

    Não devem ser informados neste demonstrativo os ganhos auferidos:

    – em operações conjugadas efetuadas com opções de compra e de venda (box), em operações conjugadas no mercado a termo (compra do ativo vinculada à revenda a termo), e em outras operações de financiamento que permitam a obtenção de rendimentos predeterminados. realizadas em bolsa ou no mercado de balcão;
    – em operações de mútuo e de compra vinculada à revenda, tendo por objeto ouro, ativo financeiro;
    – em operações isentas, assim entendidas operações no mercado à vista de ações nas bolsas de valores e em operações com ouro, ativo financeiro, cujo valor das alienações realizadas em cada mês seja igual ou inferior a R$ 20.000,00, para o conjunto de ações e para o ouro, respectivamente, exceto no caso de pretender compensar as perdas apuradas com ganhos auferidos em operações realizadas em bolsa sujeitas à incidência do imposto.
    – na alienação de quotas dos fundos de investimento imobiliário, fora de bolsa. O contribuinte pessoa física deve preencher essas informações no programa GCAP2017.

    Atenção

    Os rendimentos dos dois primeiros itens acima são tributados na fonte de acordo com as normas aplicáveis às operações de renda fixa.

    Quando apurado resultado positivo em operações isentas, o ganho líquido deve ser informado na ficha Rendimentos Isentos e Não Tributáveis.

    Os documentos representativos das operações de que trata este demonstrativo devem ser guardados pelo contribuinte à disposição da Secretaria da Receita Federal do Brasil, até que ocorra a prescrição dos créditos tributários relativos às situações e aos fatos a que se refiram.

    Selecione a aba Titular ou Dependentes e, em seguida, o mês para iniciar o preenchimento do demonstrativo.

    Atenção

    Na aba Dependentes, o programa apresenta a relação dos dependentes previamente informados na ficha Dependentes. Selecione o dependente cujos dados pretende preencher, porém, caso o dependente ainda não esteja discriminado na relação
    apresentada, o contribuinte deve, primeiramente, relacioná-lo na ficha Dependentes, preenchendo os seus dados.

    Clique no botão “Ok” para encerrar o preenchimento dos dados. Caso já exista(m) algum(ns) dado(s) relacionado(s), é possível alterá-lo(s) ou excluí-lo(s). Para alterá-lo(s), selecione a linha onde consta(m) o(s) campo(s) a ser(em) alterado(s) e clique no botão “Editar” e para excluí-los, selecione a linha e clique no botão “Excluir”.

    Ao optar por excluir, todas as informações preenchidas nos campos da linha selecionada serão excluídas.

    Atenção

    No caso de Declaração:

    a) Final de Espólio – as informações compreendem o período de 1º de janeiro até a data da decisão judicial da partilha, sobrepartilha ou adjudicação dos bens e direitos ou da lavratura da escritura pública do inventário ou partilha;
    b) de Saída Definitiva do País – as informações compreendem o período de 1º de janeiro até o dia anterior ao da caracterização da condição de não residente.

    Procedimentos para Apuração dos Ganhos Líquidos ou Perdas

    Despesas de Corretagem, Taxas e Outros Custos

    Na apuração dos ganhos líquidos ou perdas, as despesas com corretagens, taxas ou outros custos necessários à realização das operações, desde que efetivamente pagas pelo contribuinte, podem ser acrescentadas ao custo de aquisição ou deduzidas do preço de venda dos ativos ou contratos negociados.

    Mercados à Vista (Ações e Ouro, Ativo Financeiro, Inclusive Fora de Bolsa)

    O custo de aquisição dos ativos negociados nos mercados à vista é calculado pela média ponderada dos custos unitários, por espécie de ativo, de acordo com os seguintes procedimentos:

    – somar os valores referentes às compras do ativo realizadas até a data da operação de venda do mesmo ativo;
    – por ocasião da venda, dividir o valor encontrado no primeiro item pela quantidade do ativo em seu poder, obtendo o valor de cada ação ou de cada grama de ouro. Esse valor, multiplicado pela quantidade de ações ou de gramas de ouro vendida, representa o custo médio de aquisição;
    – na hipótese de venda parcial, o valor do estoque remanescente é ajustado, subtraindo-se do valor encontrado no primeiro item o custo médio de aquisição do ativo vendido.

    O ganho líquido é obtido pela diferença positiva entre o valor da operação de venda e o do custo médio do ativo vendido.

    Mercados de Opções

    1. Operações tendo por objeto a negociação das opções de compra ou de venda (sem exercício)

    a) Posição titular

    O custo de aquisição das opções de mesma série é calculado pela média ponderada dos prêmios unitários pagos.

    O ganho líquido é obtido pela diferença positiva entre o valor da operação de encerramento das opções de mesma série (valor recebido pela venda de opções) e o seu custo médio de aquisição;

    b) Posição lançadora

    Para apurar o ganho líquido, adotar os seguintes procedimentos:

    b.1) somar os valores dos prêmios referentes às opções lançadas, recebidos até a data da operação de encerramento, em opções de mesma série;

    b.2) por ocasião do encerramento, dividir o valor encontrado em “b.1” pela quantidade de opções de mesma série lançadas até aquela data, apurando o valor médio do prêmio recebido em cada opção;

    b.3) na hipótese de encerramento parcial, o valor das opções remanescentes é ajustado, subtraindo-se do valor encontrado em “b.1”, o valor calculado em “b.2”, multiplicado pela quantidade de opções objeto da operação de encerramento.

    O ganho líquido é obtido pela diferença positiva entre o valor médio do prêmio recebido em cada opção multiplicado pela quantidade de opções de mesma série objeto da operação de encerramento e o valor desta operação.

    2. Operações de exercício da opção

    2.1 Opção de compra

    a) Titular

    O custo de aquisição é o preço de exercício do ativo acrescido do valor do prêmio pago.

    O ganho líquido é a diferença positiva entre o valor de venda à vista do ativo, na data do exercício, e o seu custo de aquisição.

    Ocorrendo a venda posteriormente à data do exercício, o ganho líquido é a diferença positiva entre o valor recebido pela venda do ativo e o custo médio de aquisição, apurado conforme estabelecido para o mercado à vista.

    b) Lançador

    O custo de aquisição:

    – para o lançador coberto, é o custo médio de aquisição do ativo conforme estabelecido para o mercado à vista;
    – para o lançador descoberto, é o preço de aquisição do ativo objeto do exercício.

    O ganho líquido é a diferença positiva entre o preço de exercício do ativo, acrescido do valor do prêmio recebido, e o seu custo de aquisição.

    2.2 Opção de venda

    a) Titular

    O custo de aquisição é o custo médio de aquisição do ativo acrescido do valor do prêmio pago.

    O ganho líquido é a diferença positiva entre o preço de exercício do ativo e o seu custo de aquisição.

    b) Lançador

    O custo de aquisição é o preço de exercício do ativo diminuído do valor do prêmio recebido.

    O ganho líquido é a diferença positiva entre o preço de venda à vista do ativo, na data do exercício, e o seu custo de aquisição.

    Ocorrendo a venda posteriormente à data do exercício, o ganho líquido é a diferença positiva entre o valor recebido pela venda do ativo e o custo médio de aquisição, apurado conforme estabelecido para o mercado à vista.

    Atenção

    Considera-se preço de exercício do ativo, acordado para liquidação da operação, o valor de:

    – compra para as alíneas “2.1 a” e “2.2 b”; e
    – venda para as alíneas “2.1 b” e “2.2 a”.

    Não havendo negociação da opção (nas opções de compra ou de venda, sem exercício) nem o seu exercício (nas operações de exercício da opção), o valor do prêmio constitui ganho para o lançador e perda para o titular, na data do vencimento da opção.

    Mercados a Termo

    1. Comprador no Contrato a termo

    Se na data da liquidação do contrato a termo, o comprador realizar a venda do ativo no mercado à vista, o ganho líquido é a diferença positiva entre o preço obtido na venda à vista do ativo e o respectivo preço estabelecido no contrato liquidado.

    2. Vendedor no Contrato a termo

    Se na data da liquidação do contrato, o vendedor realizar a compra do ativo no mercado à vista, o ganho líquido é a diferença positiva entre o preço do ativo estabelecido no contrato a termo e o respectivo preço obtido na compra à vista, independentemente do custo médio de aquisição de eventual estoque do ativo objeto.

    Caso contrário, o ganho líquido é a diferença positiva entre o preço do ativo estabelecido no contrato a termo e o custo de aquisição, calculado pelas mesmas regras válidas para apuração de ganhos líquidos no mercado à vista (veja Mercados à Vista – Ações, Ouro, Ativo Financeiro, Inclusive Fora de Bolsa)

    Atenção

    No caso do vendedor no contrato a termo em operação de financiamento (compra à vista do ativo vinculada à revenda a termo, com obtenção de rendimento predeterminado), a operação é tributada conforme as regras de aplicações financeiras
    de renda fixa.

    Mercados Futuros

    O ganho líquido é o resultado positivo da soma algébrica dos ajustes diários ocorridos até a data de liquidação do contrato ou do encerramento da posição.

    Tipos de Mercado ou Ativo

    Instruções de Preenchimento

    Preencha em reais, para cada mês do ano-calendário de 2017 em que auferiu ganhos líquidos ou sofreu perdas, os resultados das operações, de acordo com a seguinte ordem:

    · Tipos de Mercado/Ativo;
    · Ganhos Líquidos ou Perdas.

    Tipos de Mercado/Ativo

    Nesses itens estão relacionados os nomes dos principais ativos negociados pelas pessoas físicas em bolsa, precedidos do tipo de mercado. No caso de realização de operações com ativo não discriminado, indicá-lo na linha com a palavra “outros”. Os ganhos ou perdas apurados nos mercados de liquidação futura, fora de bolsa, são informados na linha Mercado de Opções fora de bolsa.

    Ganhos Líquidos ou Perdas

    Devem ser informados, conforme o mês de apuração, na linha correspondente à identificação do mercado/ativo, os ganhos líquidos em operações tributadas (veja Dispensa de Preenchimento) ou as perdas apuradas nas operações realizadas em cada mês. Os valores referentes a perdas são informados com o sinal negativo (-) à esquerda.
    Deve ser consolidado em cada linha o total dos ganhos líquidos ou perdas referentes às operações realizadas no mesmo mercado/ativo, no respectivo mês.

    Atenção

    As perdas incorridas em operações iniciadas e encerradas no mesmo dia – Day-trade somente são compensáveis com os ganhos líquidos auferidos nessas operações.

    Resultado Líquido do Mês

    O programa efetua a soma algébrica dos valores dos ganhos líquidos, em reais, indicados mês a mês de cada item e indica o resultado neste item. Se negativo, o programa coloca o sinal (-) antes do valor.

    Resultado negativo até o mês anterior

    Relativamente ao mês de janeiro de 2017, preencha o campo Resultado Negativo até Mês Anterior, caso exista, pois o programa não transporta prejuízo a compensar do ano-calendário anterior.

    Se o resultado líquido de suas operações até o mês anterior foi negativo, o programa transporta para este item o valor apurado na linha Prejuízo a compensar do mês anterior.

    Base de Cálculo do Imposto

    O programa subtrai do valor informado na linha Resultado líquido do mês o valor informado na linha Resultado negativo até o mês anterior e indica o resultado nesta linha, se positivo.

    Prejuízo a Compensar

    Se o valor informado na linha Resultado negativo até o mês anterior for maior do que a da linha Resultado Líquido do Mês, ou se o valor informado na linha Resultado Líquido do Mês for negativo, o programa indica a soma algébrica desses valores nesta linha. Esse prejuízo pode ser compensado com os ganhos líquidos auferidos nos meses subsequentes.

    Alíquota do imposto/Imposto Devido

    O programa multiplica o valor informado na linha Base de Cálculo do Imposto pela alíquota de15% (quinze por cento), no caso de operações comuns, ou de 20% (vinte por cento), no caso de operações day-trade.

    Total do Imposto Devido

    O programa efetua a soma dos valores do imposto devido apurados nas colunas Operações Comuns e Operações Day-trade e transporta o resultado para esta linha.

    IR Fonte de Day-trade no Mês

    Informe, nesta linha, o valor de imposto sobre a renda retido na fonte sobre ganhos líquidos auferidos em operações Day-trade realizadas no mês.

    IR Fonte de Day-trade nos Meses Anteriores

    O programa transporta para esta linha o valor informado na linha IR Fonte de Day-trade a compensar do mês anterior, se houver.

    IR Fonte de Day-trade a Compensar

    O programa subtrai do valor apurado na linha Total do Imposto Devido, os valores constantes nas linhas IR Fonte de Day-trade no Mês e IR Fonte de Day-trade de Meses Anteriores e informa nesta linha, se negativo.

    O valor do imposto sobre a renda retido na fonte sobre operações Day-trade pode ser compensado, em meses posteriores, até o mês de dezembro.

    Se, ao final do ano-calendário, houver saldo de imposto sobre a renda retido na fonte sobre operações Day-trade que não tenha sido compensado, esse saldo pode ser objeto de pedido de restituição nos termos previstos na Instrução Normativa RFB nº 1.300, de 20 de novembro de 2012.

    IR fonte (Lei nº 11.033/2004) no mês/IR fonte (Lei nº 11.033/2004) nos meses anteriores / IR fonte (Lei nº 11.033/2004) a compensar

    Informe o valor do imposto sobre a renda retido na fonte de que tratam os §§ 1º e 2º, II, do art. 2º da Lei nº 11.033, de 21 de dezembro de 2004.

    O valor a ser informado no campo IR fonte (Lei nº 11.033/2014) no mês, deve ser igual ou inferior à diferença entre o Total do imposto devido e o IR fonte de Day-trade no mês ou de meses anteriores, dentro do mesmo ano-calendário.

    Caso ainda haja saldo do valor do imposto sobre a renda na fonte de que tratam os §§ 1º e 2º, II, do art. 2º da Lei nº 11.033, de 2004, o contribuinte pode compensá-lo:

    a) com o imposto incidente sobre ganhos líquidos apurados nos meses subsequentes ao da retenção, até dezembro do ano-calendário;

    b) com o imposto devido sobre o ganho de capital apurado, no período a que se refere a declaração, na alienação de ações;

    c) na Declaração de Ajuste Anual.

    Imposto a Pagar

    O programa subtrai do valor apurado na linha Total do Imposto Devido a soma dos valores constantes nas linhas IR fonte de Day-trade no mês, IR fonte de Day-trade nos meses anteriores,IR fonte de Day-trade a compensar e IR fonte (Lei nº 11.033/2004) e informa nesta linha, se positivo.

    O imposto sobre a renda deve ser pago pelo contribuinte até o último dia útil do mês seguinte àquele em que os ganhos houverem sido percebidos e o código de recolhimento é 6015.

    Imposto Pago

    Informe, nesta linha, o valor do imposto pago indicado no campo 07 do Darf.

    O imposto vence no último dia útil do mês subsequente àquele em que os ganhos houverem sido percebidos e o código de recolhimento é 6015.

    O pagamento do imposto após o vencimento será acrescido de multa e juros de mora, calculados sobre o valor do imposto.

    A multa de mora será calculada à taxa de 0,33% (trinta e três centésimos por cento), por dia de atraso, a partir do primeiro dia útil subsequente ao do vencimento, até o dia em que ocorrer o pagamento, limitada a 20% (vinte por cento).

    Os juros de mora serão equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) para títulos federais, acumulada mensalmente a partir do primeiro dia do mês subsequente ao do vencimento até o mês anterior ao do pagamento e de 1% (um por cento) no mês em que o pagamento estiver sendo efetuado.

    Perguntas mais Frequentes

    Todos os campos do Demonstrativo da Renda Variável são visualizados na tela?
    Não, as pastas com os campos de preenchimentos de tipos de mercado aparecem minimizadas e, para sua visualização, devem ser maximizadas com um clique no sinal ‘+” à direita da tela. Os campos correspondentes à “Consolidação do Mês” são visualizados utilizando a barra de rolagem vertical.

    Há necessidade de se apurar o rendimento sujeito à tributação definitiva na fonte proveniente de Renda Variável?
    Não, pois o cálculo é feito pelo programa.

Deixe uma resposta