Posso Usar Investimentos Como Comprovante de Renda?

Se sua fonte de renda é total ou parcial proveniente de dividendos de ações, aluguéis de fundos imobiliários ou qualquer outro tipo de provendo de investimento, então a mesma poderá ser comprovada através de extratos bancários e declarações de imposto de renda.



O comprovante de renda nada mais é do que um documento pessoal capaz de comprovar sua renda. Esse tipo de comprovante é solicitado em situações específicas, nas quais uma instituição precisa conhecer sua renda atual. Geralmente são instituições financeiras que pedem este tipo de documento para poder oferecer com segurança algum serviço financeiro como empréstimos e financiamentos.

A razão é simples: ninguém pode gastar mais do que ganha. Ninguém pode ser comprometer com um débito futuro sem ter condições financeiras de quitar este débito. Desta forma, para que um banco lhe oferte um crédito com segurança ou alguma loja lhe forneça um carnê de crediário é necessário que a instituição tenha certeza de que sua renda é compatível com o serviço oferecido.

Veja abaixo algumas situações comuns em que um comprovante de renda pode ser solicitado:

  • Compra e aluguel de imóveis;
  • Financiamentos de bens como automóveis, móveis, eletrônicos;
  • Contratação de empréstimos;
  • Contratação de um consórcios;
  • Abertura de conta em um bancos com solicitação de limite de cheque especial;
  • Contratação de cartão de crédito.

É importante lembrar que, além de comprovação de renda, as instituições buscam o histórico de crédito da pessoa para saber se ele tem nome sujo no mercado. Por isto, tenha muito cuidado com seu CPF mantendo sempre suas contas em dia, um simples esquecimento de pagamento de um fatura de celular poderá sujar seu nome.

O Que Pode ser Usado como Comprovante de Renda?

Apesar da importância do comprovante de renda, muitas pessoas ficam na dúvida quando são solicitadas a comprovar seus rendimentos, principalmente se forem trabalhadores informais. Aqueles que possuem carteira assinada não terão dificuldade em comprovar sua renda, a simples apresentação do holerite costuma ser suficiente. Mas se você pertence ao grupo de profissionais cuja fonte de renda não seja uma empresa, então algumas alternativas de comprovação poderão ser utilizadas.

1 – Contracheque (Holerite)

Contracheques, também conhecidos como holerites, são os comprovantes de renda mais simples que você pode apresentar a uma instituição. Neste tipo de documento, são discriminados dados como salário base, horas extras, gratificações descontos, etc. Geralmente, as instituições solicitam os contracheques dos últimos três meses.

2 – Declaração Anual de Ajuste do Imposto de Renda

A declaração anual de ajuste do imposto de renda geralmente é aceita como comprovante de rendimento. Uma vez que este documento discrimina todas as formas de rendimento, inclusive rendimentos de aplicações financeiras e de ganho de capital, fica fácil comprovar para a instituição como estão seus rendimentos. Este documento costuma ser a saída para os trabalhadores autônomos e profissionais liberais que não possuem vínculo trabalhista com uma empresa.

3 – Carteira de Trabalho

Em certos casos, apresentar a carteira de trabalho com contrato de trabalho ativo pode ser aceito como comprovante de renda. A carteira de trabalho pode ser aceita pois nela consta o valor do seu salário base. Geralmente quem tem carteira assinada então tem vínculo trabalhista com uma empresa, sendo assim, é mais fácil apresentar o próprio holerite.

4 – Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos

A Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos (DECORE) é um documento elaborado por um profissional contábil. No DECORE, são reunidos documentos diversos como extratos, recibos de aluguéis, dente outros. Esta é uma saída para quem não tem holerite nem declaração de imposto de renda. Somente contadores habilitados podem emitir o DECORE. O selo DHP (Declaração de Habilitação Profissional) deve estar afixado ou impresso no documento.

5 – Extratos Bancários e Faturas

Os extratos bancários são mais difíceis de serem aceitos como comprovante de renda mas em alguns casos poderão ajudar. Normalmente são solicitados os três últimos meses para comprovar as movimentações bancárias. Em algumas financeiras são aceitos documentos como contas pagas, faturas de cartão de crédito pagas, boletos quitados, etc.



Declarações de Rendimento por Tipo Profissional

Quando o trabalhador tem carteira assinada, comprovar a renda é fácil pois a própria carteira de trabalho ou o último contracheque indicam a renda. Porém, alguns profissionais terão um trabalho maior para comprovar seus rendimentos. Por exemplo, rendas advindas de trabalhos autônomos, alugueis, pequenos negócios não regularizados, dentre outros casos, podem ser difíceis de comprovar.

Trabalhadores de Carteira Assinada

Os trabalhadores de carteira assinada podem comprovar sua renda com a apresentação dos contracheques ou da carteira de trabalho. Geralmente são pedidos três holerites, mas para aqueles trabalhadores que possuem renda variável como vendedores de loja, podem ser pedidos uma quantidade maior de contracheques passados. Existe ainda a possibilidade da apresentação da declaração de imposto de renda atualizada, mas é bom lembrar que ela tem validade de um ano.

Aposentados e Pensionistas

Os aposentados e pensionistas poderão apresentar a declaração de ajuste anual do imposto de renda. Caso esta não tenha sido elaborada, poderá então ser apresentada uma DECORE. Os aposentados e pensionistas podem também comprovar a renda apresentando os três últimos comprovantes de recebimento dos benefícios.

Profissionais Liberais e Autônomos

Aos autônomos e profissionais liberais como dentistas, psicólogos, advogados taxistas, professores particulares, dentre outros pode ser preciso apresentar cópia dos contratos de prestação de serviços especificando os valores recebidos. É importante anexar a declaração do imposto de renda. Em alguns casos poderá ser elaborada uma DECORE. O Recibo de Pagamento de Autônomo (RPA) ou as notas fiscais emitidas também podem ajudar no processo de comprovação da renda.

Sócios de Empresa

Os proprietários/sócios de empresas poderão apresentar a declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física mais atual, modelo completo, acompanhada de recibo de entrega e de todas as declarações retificadoras que houver; e Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ) mais atual, completa, com recibo de entrega, ou SIMPLES Declaratório e DEFIS mais atual, completo, com recibo de entrega; Contracheque de pró-labore; Declaração de faturamento bruto mensal no último ano, assinada pelo contador responsável; Relatório Registrato do Banco Central com as informações correspondentes ao SCR – Sistema de Informações de Crédito.

MEI e Demais Empresários

As declarações de rendimentos anuais das pessoas jurídicas, como é o caso do imposto de renda pago por elas, serve como comprovante de renda. No caso do MEI, a apresentação da Declaração Anual do Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI) é suficiente. Nela, consta a receita bruta anual, resultante da venda de mercadorias, prestação de serviços, etc.

Recebedores de Pensão Alimentícia

Os recebedores de pensão alimentícia ou de ajuda de terceiros poderão apresentar sentença judicial com a especificação do valor OU, caso não haja processo judicial, apresentar Declaração, identificando a natureza da ajuda e o valor fornecido, assinada pela pessoa que o fornece, acompanhada de cópia de um documento oficial de identificação que contenha foto desta pessoa.

Pessoas que Vivem de Renda e Trabalhadores Informais

Quem possui apenas rendimentos provenientes de aplicações financeiras ou de outras fontes como aluguéis de imóveis ou dividendos de empresas pode apresentar o imposto de renda. Em alguns casos poderá ser elaborada uma DECORE. Os percebedores de rendimentos de aluguel ou arrendamento de bens móveis e imóveis devem apresentar o contrato de locação ou arrendamento.

Estagiários e Bolsistas

Os estagiários ou bolsistas poderão apresentar o Termo de Compromisso de estágio ou de bolsa, com a especificação do valor percebido, acompanhado de todos os termos aditivos (renovações) que houver.

Trabalhadores Rurais

Declarantes de Imposto de Renda Pessoa Jurídica poderão anexar cópia da Declaração de Informações Econômico-fiscais da Pessoa Jurídica – DIPJ (referente ao último exercício – todas as páginas) e do recibo de entrega à Receita Federal do Brasil. Poderão também apresentar cópia das notas fiscais e contra notas de venda de produtos referentes aos rendimentos oriundos da atividade rural, inclusive as canceladas. Produtor Rural Sindicalizado poderá apresentar Declaração do Sindicato Rural. Produtor Rural Não Sindicalizado poderá apresentar Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos – DECORE (emitida por profissional contábil).



porInforme de Rendimentos

Como Consultar o Informe de Rendimentos da Easynvest para o Imposto de Renda?

Para consultar o informe de rendimentos da Easynvest, o contribuinte deverá acessar sua conta através do site da corretora. Em seguida, deverá acessar o menu “Minha Conta” e depois escolher a opção “Imposto de Renda”. Pronto, o extrato de rendimentos estará disponível para download. Parece simples – e realmente é – mas algumas pessoas ainda sentem dificuldades neste tipo de operação. Com tantos recursos tecnológicos e informações disponíveis, está cada vez mais fácil fazer sua própria declaração de imposto de renda. Porém, ainda podemos encontrar algumas dificuldades. Pensando nisto, elaboramos este tutorial para te ajudar a entender como obter o seu informe de rendimentos, que é um documento indispensável para elaboração da sua declaração.

As empresas tem até o dia 28 de fevereiro para disponibilizar o informe de rendimentos a seus empregados e aos profissionais que lhes prestam serviços como autônomos. O documento é necessário para a declaração de imposto de renda da pessoa física, pois inclui todos os rendimentos recebidos pelo contribuinte no ano anterior. O mesmo vale para bancos, corretoras que precisam informar aos clientes os saldos de contas-correntes, cadernetas de poupança e investimentos.

No caso dos empregadores, o informe de rendimentos apresenta o valor pago aos trabalhadores no exercício anterior (ano-base), incluindo férias, 13º salário e desconto de contribuição para o INSS, assim como o imposto retido na fonte e as deduções aplicadas. No caso de bancos e corretoras, o informe de rendimentos apresenta informações tais como: saldo de aplicações financeiras, rendimentos de aplicações financeiras, imposto de renda retido, dentre outros dados.

De acordo com a legislação, caso o informe de rendimentos não seja disponibilizado no prazo, contenha erros ou omita informações, o emissor fica sujeito a pagar R$ 41,43 por documento. A empresa que prestar informações falsas sobre rendimentos pagos, deduções ou imposto retido na fonte está sujeita a uma multa de 300% sobre o valor que foi indevidamente declarado. A mesma penalidade é aplicada ao contribuinte que se aproveitar da irregularidade.

Informe de Rendimentos

Os informes de rendimentos são necessários para o correto preenchimento da declaração de imposto de renda de 2019. Os dados dos informes ajudam a Receita Federal a cruzar informações e verificar se houve sonegação ou não de imposto. Os documentos não precisam, necessariamente, ser enviados fisicamente via Correios. Podem ser enviados por e-mail ou disponibilizados para consulta pela internet.

Se o contribuinte preferir receber o informe de rendimentos em papel, pode solicitar ao banco, corretora ou empresa, sem custos adicionais. Caso o informe for enviado com informações incorretas, o contribuinte deverá pedir um novo documento à instituição financeira ou empresa. Por isto é importante conferir cada informação apresentada.

Os bancos deverão disponibilizar a todos correntistas um informe de rendimentos, contendo, por exemplo, os valores depositados na conta-corrente e na poupança, bem como os rendimentos da caderneta. Estarão discriminados, ainda, saldos e rendimentos de aplicações financeiras tais como CDBs, LCIs, LCAs e outros títulos.

Quem Deve Declarar Imposto de Renda em 2019?

Cerca de 40 milhões de brasileiros devem declarar o imposto de renda neste ano. As declarações devem ser entregues até o dia 30 de abril de 2019. Quem perder o prazo precisará pagar uma multa de 1% do imposto devido por mês de atraso até o limite de 20% do valor ou de R$ 165,74, prevalecendo o maior custo. Se você investiu em aplicações financeiras na Easynvest no ano passado, então pode ter que declarar os saldos e rendimentos no imposto de renda 2019. Veja a seguir os principais critério de obrigatoriedade de entrega da declaração:

  • Qualquer pessoa que tiver recebido no ano passado renda tributável de mais de R$ 28.559,70 precisa fazer a declaração de imposto de renda neste ano. Salário, por exemplo, é um rendimento tributável. Valores recebidos do INSS também são tributáveis. Ou seja, aposentados também ficam obrigados a fazer a declaração do imposto de renda, caso seus rendimentos, somados, sejam superiores a R$ 28.559,70.
  • Quem recebeu rendimentos não tributáveis ou tributáveis exclusivamente na fonte que, somados, resultem em valor superior a R$ 40 mil, também está obrigado a fazer a declaração de imposto de renda. Entre os rendimentos não tributáveis estão dividendos, indenizações, heranças, doações recebidas, dentre outros. Já os rendimentos tributáveis exclusivamente na fonte são os valores recebidos em concursos e sorteios, prêmios em dinheiro ou ganhos na loteria, além de juros sobre capital próprio.
  • O contribuinte que tem bens ou direitos cujo valor, somados, superem R$ 300 mil também precisa fazer a declaração do imposto de renda. Quem teve, em qualquer mês de 2018, algum ganho de capital na venda de bens ou direitos sujeitos ao pagamento de imposto de renda terá que fazer a declaração. É o caso, por exemplo, de quem vendeu um apartamento ou realizou operações na bolsa de valores, bolsa de mercadorias ou de futuros.

Como Consultar o Informe de Rendimentos da Easynvest?

Uma das principais informações solicitadas pela Receita Federal na sua declaração de imposto de renda é movimentação bancária do contribuinte. E para que você tenha acesso a essas informações, a sua corretora deve disponibilizar o informe de rendimentos. Se você é cliente da Easynvest, precisará declarar seus investimentos do ano-calendário de 2018. Para isto, acesse o site da corretora e faça o login. Acesse o menu “Mais” no canto superior direito e em seguida a opção “Informe de Rendimentos” como mostra  o vídeo a seguir:

Como Declarar Imposto de Renda

Como Declarar Saldo na Corretora

Para declarar saldo na conta corrente da corretora, selecione a ficha “Bens e Direitos”. Em seguida selecione o código “69 – Outros depósitos à vista e numerário.” Entre com o CNPJ da corretora e coloque a discriminação da conta. Nos campos Situação em 31/12/xxxx, lance os valores conforme informe de rendimentos da corretora. Veja detalhadamente a forma de declarar saldo na corretora neste tutorial.

Como Declarar LCI e LCA da Easynvest

Rendimentos de aplicações financeiras em LCI e LCA são isentos de imposto de renda. Porém, o saldo destas aplicações financeiras devem ser declaradas com na ficha “Bens e Direitos” com código “45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)”, de acordo com os valores informados no informe de rendimentos. Se houve rendimentos no ano, deve-se lançar na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” com o código “12 – Rendimentos de cadernetas de poupança, letras hipotecárias, letras de crédito do agronegócio e imobiliário (LCA e LCI) e certificados de recebíveis do agronegócio e imobiliários (CRA e CRI)”, conforme o informe de rendimentos. Veja detalhadamente a forma de declarar LCI e LCA neste tutorial.

Como Declarar CDB, RDB, LC, COE e Debêntures da Easynvest

Declarações de aplicações em CDBs, RDBs, LCs,  COEs e debêntures são obrigatórias somente se o saldo for maior que R$ 140,00. Deve-se lançar o saldo na ficha “Bens e Direitos”, com o código “45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)”, de acordo com o informe de rendimentos. Os rendimentos de aplicações em renda fixa como CDB são declarados como rendimentos tributáveis exclusivamente na fonte, devendo ser informados pelo seu valor líquido (valor do rendimento bruto o menos imposto de renda retido na fonte pela instituição).  Se houve rendimentos no ano, deve-se lançar na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva” com o código “06 – Rendimentos de aplicações financeiras”, conforme o informe de rendimentos. Veja detalhadamente a forma de declarar CDB neste tutorial.

Como Declarar Fundos de Investimento

O programa de declaração do imposto de renda da Receita Federal possibilita a declaração de 4 classes de fundos de investimento definidas: fundos de investimento de curto prazo, fundos de investimento de longo prazo / fundos de investimento em direitos creditórios e fundos de investimento imobiliário, fundos de ações / fundos mútuos de privatização / fundos de empresas emergentes / fundos de investimento em participação / fundos de investimentos de índice de mercado. Qualquer outro fundo de investimento que não se enquadre nestas classes deve ser declarado como “Outros”. Veja detalhadamente a forma de declarar CDB neste tutorial.

Como Declarar Ações

Você terá que declarar dividendos, JSCP, lucros isentos, lucros tributados mensalmente e ações em custódia no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar ações neste tutorial.

Como Declarar FIIs

Você terá que declarar distribuições, aluguéis, amortizações, lucros tributados mensalmente e FIIs em custódia no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar FIIs neste tutorial.

Como Declarar Tesouro Direto

Você terá que declarar saldos e rendimentos de títulos públicos do tesouro direto no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar neste tutorial.

porInforme de Rendimentos

Como Consultar o Informe de Rendimentos da XP Investimentos para o Imposto de Renda?

Para consultar o informe de rendimentos da XP Investimentos, o contribuinte deverá acessar sua conta através do site da corretora. Em seguida, deverá acessar o menu “Minha Conta” e depois escolher a opção “Imposto de Renda”. Pronto, o extrato de rendimentos estará disponível para download. Parece simples – e realmente é – mas algumas pessoas ainda sentem dificuldades neste tipo de operação. Com tantos recursos tecnológicos e informações disponíveis, está cada vez mais fácil fazer sua própria declaração de imposto de renda. Porém, ainda podemos encontrar algumas dificuldades. Pensando nisto, elaboramos este tutorial para te ajudar a entender como obter o seu informe de rendimentos, que é um documento indispensável para elaboração da sua declaração.

As empresas tem até o dia 28 de fevereiro para disponibilizar o informe de rendimentos a seus empregados e aos profissionais que lhes prestam serviços como autônomos. O documento é necessário para a declaração de imposto de renda da pessoa física, pois inclui todos os rendimentos recebidos pelo contribuinte no ano anterior. O mesmo vale para bancos, corretoras que precisam informar aos clientes os saldos de contas-correntes, cadernetas de poupança e investimentos.

No caso dos empregadores, o informe de rendimentos apresenta o valor pago aos trabalhadores no exercício anterior (ano-base), incluindo férias, 13º salário e desconto de contribuição para o INSS, assim como o imposto retido na fonte e as deduções aplicadas. No caso de bancos e corretoras, o informe de rendimentos apresenta informações tais como: saldo de aplicações financeiras, rendimentos de aplicações financeiras, imposto de renda retido, dentre outros dados.

De acordo com a legislação, caso o informe de rendimentos não seja disponibilizado no prazo, contenha erros ou omita informações, o emissor fica sujeito a pagar R$ 41,43 por documento. A empresa que prestar informações falsas sobre rendimentos pagos, deduções ou imposto retido na fonte está sujeita a uma multa de 300% sobre o valor que foi indevidamente declarado. A mesma penalidade é aplicada ao contribuinte que se aproveitar da irregularidade.

Informe de Rendimentos

Os informes de rendimentos são necessários para o correto preenchimento da declaração de imposto de renda de 2019. Os dados dos informes ajudam a Receita Federal a cruzar informações e verificar se houve sonegação ou não de imposto. Os documentos não precisam, necessariamente, ser enviados fisicamente via Correios. Podem ser enviados por e-mail ou disponibilizados para consulta pela internet.

Se o contribuinte preferir receber o informe de rendimentos em papel, pode solicitar ao banco, corretora ou empresa, sem custos adicionais. Caso o informe for enviado com informações incorretas, o contribuinte deverá pedir um novo documento à instituição financeira ou empresa. Por isto é importante conferir cada informação apresentada.

Os bancos deverão disponibilizar a todos correntistas um informe de rendimentos, contendo, por exemplo, os valores depositados na conta-corrente e na poupança, bem como os rendimentos da caderneta. Estarão discriminados, ainda, saldos e rendimentos de aplicações financeiras tais como CDBs, LCIs, LCAs e outros títulos.

Quem Deve Declarar Imposto de Renda em 2019?

Cerca de 40 milhões de brasileiros devem declarar o imposto de renda neste ano. As declarações devem ser entregues até o dia 30 de abril de 2019. Quem perder o prazo precisará pagar uma multa de 1% do imposto devido por mês de atraso até o limite de 20% do valor ou de R$ 165,74, prevalecendo o maior custo. Se você investiu em aplicações financeiras na XP Investimentos no ano passado, então pode ter que declarar os saldos e rendimentos no imposto de renda 2019. Veja a seguir os principais critério de obrigatoriedade de entrega da declaração:

  • Qualquer pessoa que tiver recebido no ano passado renda tributável de mais de R$ 28.559,70 precisa fazer a declaração de imposto de renda neste ano. Salário, por exemplo, é um rendimento tributável. Valores recebidos do INSS também são tributáveis. Ou seja, aposentados também ficam obrigados a fazer a declaração do imposto de renda, caso seus rendimentos, somados, sejam superiores a R$ 28.559,70.
  • Quem recebeu rendimentos não tributáveis ou tributáveis exclusivamente na fonte que, somados, resultem em valor superior a R$ 40 mil, também está obrigado a fazer a declaração de imposto de renda. Entre os rendimentos não tributáveis estão dividendos, indenizações, heranças, doações recebidas, dentre outros. Já os rendimentos tributáveis exclusivamente na fonte são os valores recebidos em concursos e sorteios, prêmios em dinheiro ou ganhos na loteria, além de juros sobre capital próprio.
  • O contribuinte que tem bens ou direitos cujo valor, somados, superem R$ 300 mil também precisa fazer a declaração do imposto de renda. Quem teve, em qualquer mês de 2018, algum ganho de capital na venda de bens ou direitos sujeitos ao pagamento de imposto de renda terá que fazer a declaração. É o caso, por exemplo, de quem vendeu um apartamento ou realizou operações na bolsa de valores, bolsa de mercadorias ou de futuros.

Como Consultar o Informe de Rendimentos da XP Investimentos?

Uma das principais informações solicitadas pela Receita Federal na sua declaração de imposto de renda é movimentação bancária do contribuinte. E para que você tenha acesso a essas informações, a sua corretora deve disponibilizar o informe de rendimentos. Se você é cliente da XP Investimentos, precisará declarar seus investimentos do ano-calendário de 2018. Para isto, acesse o site da corretora e faça o login. Acesse o menu “Minha Conta” e em seguida a opção “Imposto de Renda” como mostra a figura a seguir:

informe de rendimentos xp investimentos

Será apresentada a tela de opções do Imposto de Renda. Nesta tela, deve-se escolher a opção “Informe de Rendimentos” e em seguida o ano-base (ano-calendário). Lembrando que “ano-calendário” é o ano em que aconteceram os fatos e “ano-exercício” é o ano de apresentação da declaração. Pronto, seu informe de rendimentos será exibido.

informe de rendimentos ir xp

Como Declarar Imposto de Renda

Como Declarar Saldo na Corretora

Para declarar saldo na conta corrente da corretora, selecione a ficha “Bens e Direitos”. Em seguida selecione o código “69 – Outros depósitos à vista e numerário.” Entre com o CNPJ da corretora e coloque a discriminação da conta. Nos campos Situação em 31/12/xxxx, lance os valores conforme informe de rendimentos da corretora. Veja detalhadamente a forma de declarar saldo na corretora neste tutorial.

Como Declarar LCI e LCA da XP Investimentos

Rendimentos de aplicações financeiras em LCI e LCA são isentos de imposto de renda. Porém, o saldo destas aplicações financeiras devem ser declaradas com na ficha “Bens e Direitos” com código “45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)”, de acordo com os valores informados no informe de rendimentos. Se houve rendimentos no ano, deve-se lançar na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” com o código “12 – Rendimentos de cadernetas de poupança, letras hipotecárias, letras de crédito do agronegócio e imobiliário (LCA e LCI) e certificados de recebíveis do agronegócio e imobiliários (CRA e CRI)”, conforme o informe de rendimentos. Veja detalhadamente a forma de declarar LCI e LCA neste tutorial.

Como Declarar CDB, RDB, LC, COE e Debêntures da XP Investimentos

Declarações de aplicações em CDBs, RDBs, LCs,  COEs e debêntures são obrigatórias somente se o saldo for maior que R$ 140,00. Deve-se lançar o saldo na ficha “Bens e Direitos”, com o código “45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)”, de acordo com o informe de rendimentos. Os rendimentos de aplicações em renda fixa como CDB são declarados como rendimentos tributáveis exclusivamente na fonte, devendo ser informados pelo seu valor líquido (valor do rendimento bruto o menos imposto de renda retido na fonte pela instituição).  Se houve rendimentos no ano, deve-se lançar na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva” com o código “06 – Rendimentos de aplicações financeiras”, conforme o informe de rendimentos. Veja detalhadamente a forma de declarar CDB neste tutorial.

Como Declarar Fundos de Investimento

O programa de declaração do imposto de renda da Receita Federal possibilita a declaração de 4 classes de fundos de investimento definidas: fundos de investimento de curto prazo, fundos de investimento de longo prazo / fundos de investimento em direitos creditórios e fundos de investimento imobiliário, fundos de ações / fundos mútuos de privatização / fundos de empresas emergentes / fundos de investimento em participação / fundos de investimentos de índice de mercado. Qualquer outro fundo de investimento que não se enquadre nestas classes deve ser declarado como “Outros”. Veja detalhadamente a forma de declarar CDB neste tutorial.

Como Declarar Ações

Você terá que declarar dividendos, JSCP, lucros isentos, lucros tributados mensalmente e ações em custódia no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar ações neste tutorial.

Como Declarar FIIs

Você terá que declarar distribuições, aluguéis, amortizações, lucros tributados mensalmente e FIIs em custódia no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar FIIs neste tutorial.

Como Declarar Tesouro Direto

Você terá que declarar saldos e rendimentos de títulos públicos do tesouro direto no programa de ajuste anual do imposto de renda. Veja detalhadamente a forma de declarar neste tutorial.