grafico mortes covid por milhao

Estaremos postando aqui a evolução dos casos de COVID-19 no Brasil e no Mundo. Para isto, iremos registrar o número de mortes por milhão do Corona Vírus.

Em número absoluto de mortes, o Brasil é hoje o sexto país. Mas se considerar o número de mortes por milhão de habitantes o Brasil passa ser o décimo segundo da lista. Confira:

mortes covid por milhao

Cada país tem uma maneira diferente de contabilizar as mortes causadas por covid-19. No entanto, existe um padrão: a maioria contabiliza os falecidos que foram submetidos ao teste e deram positivo para o coronavírus.

A Bélgica tem menos da metade das mortes dos países mais afetados pela pandemia de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. No entanto, sua taxa de mortalidade por essa doença é a mais alta do mundo. Essa disparidade tem sido chamada de paradoxo da Bélgica.

Embora os números da Bélgica estejam longe das Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália ou Espanha, a Bélgica tem o pior índice de óbitos por grupo de 100 milhão de habitantes. A alta taxa de mortalidade belga se deve à maneira como o país europeu passou a contar as mortes causadas pelo patógeno.

A Bélgica contabiliza não apenas o número de mortes confirmadas por coronavírus, mas também todos os casos suspeitos, incluindo todas as mortes ocorridas em casas de repouso. Esse é um método diferente do usado por muitos dos países mais afetados pela pandemia, que contam apenas mortes por coronavírus que ocorrem em hospitais.

Qual é a Trajetória de Infecção?

Uma rápida “taxa de duplicação” pode significar grandes problemas, já que mesmo países com sistemas avançados de saúde podem ficar sobrecarregados com o grande número de casos. Esse foi o caso da região da Lombardia, na Itália, onde os hospitais estavam sobrecarregados e um número crescente de equipes médicas fica em quarentena após testes positivos para o vírus. Quase 10% dos pacientes com COVID-19 na Lombardia necessitaram de cuidados intensivos, o que levou os recursos ao seu ponto de ruptura. Outros países procuram evitar essa situação “achatando a curva” da pandemia . Em outras palavras, prevenir e retardar a propagação do vírus para que grandes porções da população não fiquem doentes ao mesmo tempo.

grafico corona virus europa 13-04

Gráfico de Casos de COVID-19 na Europa – Fonte: Visual Capitalist

Onde Tudo Começou

O COVID-19 começou sua escalada no fim de 2019 em Wuhan, cidade com 11 milhões de habitantes localizada na China Central. Os relatos inicias indicavam que uma ‘doença misteriosa’ estava infectando as pessoas rapidamente, desencadeando pneumonia. Em janeiro deste ano, a China anunciou as primeiras mortes e, na sequência, o crescimento desenfreado de registros.

grafico corona virus china

Gráfico de Casos de COVID-19 na China – Fonte: Visual Capitalist

Nos últimos dias, teorias da conspiração sobre a Covid-19 circularam na internet. Elas defendem que o vírus SARS-CoV-2 havia sido criado em laboratório pelos chineses. Mas uma pesquisa publicada na Nature Medicine desmente essa ideia, e mostra que o vírus, na verdade, é produto de evolução natural.

Assim que a doença começou a se propagar em Wuhan, na China, os cientistas do país sequenciaram o genoma do vírus e tornaram os dados públicos. Então, uma equipe de pesquisadores utilizou as informações para explorar as origens e evolução do SARS-CoV-2.

Na visão dos cientistas, há dois cenários possíveis. No primeiro, o vírus passou por seleção natural dentro de um hospedeiro animal e, depois, chegou aos seres humanos – já com sua capacidade infecciosa.

Em um segundo cenário, o vírus também passou do animal para o humano, mas só se tornou patogênico no corpo do homem. Sua capacidade de transmissão de humanos para humanos pode ter se desenvolvido pouco antes do início da epidemia, ainda no corpo dos primeiros infectados.

Ainda não se sabe qual das duas hipóteses é a correta. A primeira é mais prejudicial, pois caso o vírus tenha essa capacidade de evoluir ainda nos animais, as chances de ocorrerem outros surtos similares no futuro são maiores.

Fonte: Super

Exemplo para o Mundo

Enquanto todos os países estão unidos por um objetivo comum – acabar com o COVID-19 o mais rápido possível – cada país tem sua própria abordagem e desafios únicos quando se trata de manter sua população segura. É claro que os países que estão apenas começando a experimentar um crescimento exponencial nos números de casos têm o benefício de aprender com os erros cometidos em outros lugares e adotar idéias que estão se mostrando bem-sucedidas em diminuir a taxa de infecção.

Vizinhos à China, primeiro epicentro da COVID-19, Singapura, Taiwan e Hong Kong estão se tornando referência no combate à doença que assusta o planeta. Em comum, a principal ação para frear a velocidade da contaminação foi a rapidez na tomada de decisões governamentais. Nesses territórios, a letalidade e a expansão do coronavírus tem sido bem menor do quem em solo chinês. Qual o segredo?

grafico corona virus singapura

Gráfico de Casos de COVID-19 em Singapura – Fonte: Visual Capitalist

Logo no início da expansão da COVID-19, as autoridades locais implementaram restrições ao deslocamentos de passageiros vindos do continente. A determinação, que inclusive contrariou orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e resultou em prejuízo financeiro, reduziu exponencialmente o registro de casos no início da pandemia. Contribuiu para o cenário atual os ensinamentos obtidos após as crises sanitárias provocadas pelas gripes sars e mers no início dos anos 2000. Outra medida comum foi a testagem em massa de pessoas com suspeita de estarem contaminadas pelo novo vírus.

Em Singapura, agentes de saúde entrevistaram passageiros vindos do Exterior. Quando as informações não eram claras ou precisas o suficiente, eles recorriam a imagens de empresas de transportes e hotéis. O governo recorreu à testagem em massa e uma campanha de esclarecimentos da população calcada no didatismo e no bom humor. As pessoas infectadas, porém, foram submetidas à regras rígidas de isolamento. Mentira e quebra da quarentena geram multas pesadas e até mesmo punições judiciais.

Confira as principais medidas de contenção:

  • Checagem dos sintomas em passageiros de avião
  • Unificação dos bancos de dados de saúde e imigração
  • Quarentena controlada por aplicativo de celular
  • Apoio do governo à produção massiva de máscaras
  • Aplicação de multas pesadas a quem infringir regras
  • Testagem rápida e em grande proporção
  • Esclarecimentos na TV com didatismo e bom humor
  • Entrevistas e investigação de passageiros do Exterior
  • Multa pesada a quem mentir ou quebrar quarentena
  • Divulgação do nome, endereço e local de trabalho dos infectados
  • Fechamento de escolas
  • Fechamento de repartições públicas
  • Suspensão de atividades das empresas
  • Instituição do teletrabalho
  • Distanciamento social autoimposto

Faça sua parte, proteja-se!

Fonte: Gaucha

4 thoughts on “Estatísticas do COVID no Brasil e no Mundo

  1. Cadê as atualizações?
    A curva achatou? A curva subiu? Cadê a comparação do que foi projetado há um mês com os números atuais de contaminação, mortes e recuperações?

  2. VOCES ESTÃO QUERENDO PREJUDICAR O GOVERNO DO MITO BOLSONARO COM FAKE NEWS. NÃO ESTÃO SE IMPORTANDO COM A EVOLUÇÃO DA DOENÇA MAIS SIM COM MOVIMENTOS ESQUERDOPATAS LIDERADOS PELO pt E psol (COM MINÚSCULAS MESMO) PARA DESEQUILIBRAR O GOVERNO. SÃO HIPÓCRITAS E COVARDES. mAS UMA COISA É CERTA: lula NUNCA MAIS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.